Topo
Sindivestuário / Negócios (Page 49)
19 maio 2015

Roupas e habitação sobem menos, e inflação em SP perde força em maio

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) de São Paulo desacelerou de 1,04% na primeira prévia de maio, para 0,83% na segunda, de acordo com a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), nesta terça-feira (19). O resultado foi influenciado pelo avanço menor dos preços relativos a habitação. A variação passou de 1,93% para 1,26%. Também perdeu força a alta de vestuário, recuando de 0,69% para 0,58%. Praticamente mantiveram as taxas os grupos de alimentação, 0,82%, e educação, 0,09%. No entanto, cresceu mais...
Continue lendo
14 maio 2015

Cai a produção e aumenta o déficit comercial do setor têxtil e vestuário

No primeiro trimestre deste ano, na comparação com igual período de 2014, a produção física do segmento têxtil teve queda de 6,7% e a do vestuário, de 13,9%. A indústria de transformação como um todo apresentou recuo de 7,9%. Os dados do trimestre serão apresentados aos empresários hoje (12/05), em reunião plenária da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), durante a Première Vision, que começa nesta terça-feira e vai até amanhã, no Pavilhão Amarelo do Expo Center...
Continue lendo
7 maio 2015

Máquina vende camisetas a R$7,00, mas ninguém quer comprá-las.

A organização sem fins lucrativos Fashion Revolution (em português, “Revolução na Moda”) criou um experimento social criativo que fez muitas pessoas reconsiderarem a forma como compram suas roupas. Eles colocaram uma máquina de venda em Berlim, na Alemanha, que oferecia a transeuntes camisetas por apenas 2 euros (cerca de R$ 6,80, no câmbio atual), mas ninguém comprou nenhuma. Por que as pessoas recusariam uma bagatela dessa?! A surpresa Antes de receber o produto, as pessoas primeiro tinham que assistir a um vídeo sobre os...
Continue lendo
6 maio 2015

Setor de Vestuário Brasileiro: uma espécie em extinção

A queda na produção de Vestuário no Brasil, nos últimos anos tem sido acentuada. Em continuidade a esse processo de deterioração industrial têxtil e do vestuário, no primeiro trimestre foi absurdamente expressiva:  19,7% no Brasil e 24,1% no Estado de  São Paulo. O primeiro trimestre sempre é difícil para o Setor do Vestuário, mas nunca vimos algo tão ruim. Em São Paulo tende a ser maior, pois produzir aqui é muito caro. Apesar de termos uma mão de obra muito especializada e estarmos...
Continue lendo