Topo
Sindivestuário / Destaque  / 5 novos documentários de moda que você precisa assistir
11 fev 2020

5 novos documentários de moda que você precisa assistir

Documentários de moda são um grande negócio. Uma década após o lançamento de The September Issue, o funcionamento interno de muitas das marcas mais badaladas do mundo foi imortalizado no cinema: Dior e Eu capturou a estreia de Raf Simons na casa francesa; McQueen foi uma carta de amor ao lendário designer; e a série da Netflix, 7 Days Out, ofereceu um raro vislumbre do ateliê da Chanel. Mas, o que distingue o cinema instigante de um exercício de relações públicas pouco velado? A capacidade de fornecer uma imagem complexa e sincera da indústria e dos criativos no centro dela. 2019 tem sido o ano em que várias novas produções fazem exatamente isso – Very Ralph, Halston, Yves Saint Laurent: The Last Collections – e muito mais ainda está por vir. A Vogue lista os cinco documentários de moda que você precisa assistir agora.

1. Wonder Boy
O tão aguardado filme sobre Olivier Rousteing, diretor criativo da Balmain expert em mídias sociais, chega aos cinemas franceses este mês. Em vez de focar na reinvenção dele da marca, ele se concentra na busca pela identidade: Rousteing foi adotado quando bebê e cresceu sem conhecer seus pais biológicos. Acompanhado pela cineasta Anissa Bonnefont, ele acessa seu arquivo de adoção e faz uma série de descobertas surpreendentes, incluindo o fato de que ele não é (como sempre supôs) uma raça mista. Ele é um retrato íntimo de um estilista que é sinônimo do brilho e glamour de Balmain, mas que por trás de tudo isso é impulsionado pelo desejo muito real de se conectar à sua própria história de origem.

Chiara Ferragni: Unposted/Divulgação

2. Chiara Ferragni: Unposted
Como fundadora do The Blonde Salad, um blog de moda e estilo de vida que a catapultou para o estrelato, Chiara Ferragni é uma das influenciadoras mais poderosas de sua geração – ela tem 17,7 milhões de seguidores no Instagram, foi a primeira blogueira a aparecer na capa da Vogue (para a Vogue Espanha em abril de 2015) e até foi usada como estudo de caso pela Harvard Business School. O documentário de Elisa Amoruso mostra sua ascensão, misturando vídeos caseiros de infância, filmagens de desfiles de moda e postagens de blog para determinar o segredo de seu sucesso. Ainda mais esclarecedor? A exploração do filme sobre a cultura de influenciadores, com acadêmicos, estilistas e fãs avaliando a natureza das celebridades modernas.

3. Martin Margiela: In His Own Words
O documentarista Reiner Holzemer, mais conhecido por dirigir o filme Dries (2017), agora adapta a história de outro ícone da moda belga: o famoso e indescritível Martin Margiela. O rosto do estilista nunca é mostrado na tela, com, ao invés disso, a câmera em suas mãos enquanto faz anotações, constrói roupas e manipula objetos preciosos de sua infância na década da Genk de 1960. Depois de traçar sua educação, o filme fornece uma história rica de sua ilustre carreira – desde seus shows não convencionais realizados em trens de carga abandonados e lojas do Exército da Salvação até suas criações mais memoráveis (a bota Tabi, o vestido com estampas de fotos) e, finalmente, sua saída da indústria em 2009. Poderia ele ser tentado a voltar à cena? Holzemer acredita que é possível, e a edição final faz você ansiar por um retorno.

House of Cardin/Divulgação

4. House of Cardin
A lenda viva Pierre Cardin é o tema do mais recente projeto de P. David Ebersole e Todd Hughes. Ele reflete o impacto do magnata francês na indústria, examinando suas colaborações com Christian Dior (Cardin trabalhou na coleção New Look de 1947), seus projetos pioneiros da Era Espacial e seu desejo de democratizar a moda por meio do prêt-à-porter e do licenciamento de marca. Há participações especiais de Naomi Campbell, Jean Paul Gaultier e Sharon Stone, que elogiam a extraordinária visão de Cardin, mas o filme é ancorado por entrevistas francas com o próprio homem. Aos 97 anos, ele é espirituoso, caloroso e ferozmente voltado ao futuro, ainda sendo o maior embaixador de sua própria marca de excêntrico futurismo dos anos 1960.

5. Calendar Girl
A contribuição de Ruth Finley para a moda pode não ser exagerada. Em 1945, a empresária americana fundou o Fashion Calendar, o primeiro recurso do tipo para agendar programas e compromissos de imprensa em Nova York. Mesmo com o crescimento da Semana da Moda da cidade, passando do Bryant Park para o Lincoln Center, Finley ainda trabalhava duro na resolução de conflitos, aconselhando estilistas e criando novos talentos (ela continuou até 2014, quando o calendário foi adquirido pelo CFDA). O emocionante documentário de Christian D. Bruun é uma avaliação de seu legado após sua morte em 2018 – uma justa homenagem a uma das matriarcas da mais formidáveis da indústria e muitas vezes esquecida.

FONTE: Vogue

Nenhum comentário

Desculpe, os comentários estão encerrados.