Home / Associados / C&A inova em campanha publicitária e é vítima de boicote LGBTfóbico

C&A inova em campanha publicitária e é vítima de boicote LGBTfóbico

A varejista de roupas têm insistido em campanhas de roupa sem gênero fixo

Reprodução
Reprodução

SÃO PAULO – A varejista de roupas C&A tem chamado atenção do público com suas últimas campanhas publicitárias e coleções. Com o slogan de “Misture, ouse, experimente”, as chamadas da loja têm proposto maior liberdade de vestuário para seus usuários, mostrando homens com roupas mais identificadas com gênero feminino e vice­versa.

A última campanha da loja para o dia dos namorados segue a mesma linha de pensamento. “As cenas do filme se sucedem de maneira ágil, ao som de uma trilha sonora que embala o ritmo em que diversos casais entram num local e saem rapidamente, de roupas trocadas. O menino que entrou com a namorada na cabine telefônica reaparece com as peças das roupas da moça, e ela, com as dele, causando espanto e admiração em quem os vê”, descreve a assessoria de imprensa da marca.

No entanto, a campanha ousada não agradou todas as pessoas. Em publicação LGBTfóbica, a cantora Ana Paula Valadão propõe um boicote à marca após a veiculação do comercial. Em texto publicado no Facebook, a artista comenta que achou a peça publicitária um absurdo.

Para Valadão, que quis expressar sua indignação na rede social, as pessoas devem boicotar a marca para não aceitar passivamente uma suposta imposição da “ideologia de gênero” (sic). Ainda segundo informações sem fonte comprovada da cantora, mais de um milhão de pessoas teriam boicotado a varejista estadunidense Target por conta de uma decisão a favor da população transexual por parte da empresa.

A assessoria de imprensa da C&A foi procurada para comentar a situação e, até a publicação dessa matéria, ainda não havia enviado nenhuma resposta sobre a questão.

Fonte: Infomoney

Veja também

Acordo fechado pelo TST permite alternativa à contribuição sindical

em Clipping, Notícias Sindicatos que tentam restabelecer a contribuição sindical, que deixou de ser obrigatória com a …

Deixe uma resposta