Home / Associados / Acusado de receber auxílio-doença com atestado médico falso responderá por estelionato

Acusado de receber auxílio-doença com atestado médico falso responderá por estelionato

A 11ª Turma do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3) deu provimento a recurso do Ministério Público Federal (MPF) e determinou o prosseguimento de processo penal contra um acusado de estelionato. Aplicando o princípio da insignificância, a sentença de primeiro grau havia absolvido sumariamente um réu, que teria causado prejuízo de R$ 14.626,58 à previdência social.

Segundo a denúncia, ele utilizou atestados médicos falsos para induzir a erro o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e receber auxílio-doença, um benefício previdenciário por incapacidade temporária. Também são réus da ação a acusada de elaborar atestado falso e seu marido, que teria vendido o atestado.

A falsidade dos atestados foi comprovada por declaração de uma médica, cuja assinatura consta nos atestados falsos e que negou a autoria dos documentos, bem como pelo laudo documentoscópico, que confirmou a autoria da falsificação pela acusada.

Em primeiro grau, os três acusados foram sumariamente absolvidos, com base no artigo 397, III, pois o juiz aplicou o princípio da insignificância, entendendo que os valores recebidos eram de pequeno valor e não justificavam a ação penal.

Ao analisar o recurso do MPF, a 11ª Turma do TRF3 explica que a doutrina e os precedentes jurisprudenciais consolidaram o entendimento de “pequeno valor”, para tratar dos crimes contra o patrimônio como é o caso do estelionato, como aquele igual ou inferior a um salário mínimo.

Contudo, “o estelionato praticado contra a autarquia previdenciária é delito que tutela o patrimônio público e a regularidade do trato da coisa pública, circunstâncias que não autorizam o tratamento leniente do julgador aos autores dessa natureza de crime”, destaca a decisão. Além disso, o colegiado também ressaltou que o acusado de vender os atestados é reincidente na prática do estelionato.

Com a decisão, foi reformada a sentença de absolvição sumária e a ação penal prosseguirá no primeiro grau.

No tribunal, o processo recebeu o número 0007142-13.2007.4.03.6104/SP.

E, quanto às empresas? A apresentação de atestados falsos levará o judiciário à conclusão da pratica de estelionato, pois embora não tratar-se de patrimônio público, com certeza trata-se de patrimônio de terceiros, portanto configura-se a pratica da infração penal e, neste caso o tratamento do julgador não deve ser leniente sob a alegação de “pequeno valor” ou de “simplicidade na avaliação da gravidade do ato”.

A verdade é que a apresentação de atestados falsos ou falsificados é pratica delituosa tipificada no Código Penal Brasileiro, e de qualquer forma temos que já passou da hora educar as pessoas às praticas honestas e justas.

Maria Thereza Pugliesi

Depto Jurídico

SINDIVESTUÁRIO    

Veja também

Presidente do Sindivestuário, Ronald Masijah comenta ações da Entidade, em 2017

Presidente do Sindivestuário, Ronald Masijah comenta ações da Entidade, em 2017   Assista: Relacionado

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: