Home / Noticias / IBGE : Varejo brasileiro ainda resiste

IBGE : Varejo brasileiro ainda resiste

Vendas no varejo ainda resistem à criseValor Econômico – 16/10/2008

O comércio varejista registrou crescimento de 10,6% nos primeiros oito meses do ano, com expansão de 1,1% em agosto comparado a setembro (com ajuste sazonal), de acordo com levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Há perspectivas de que o desempenho no mês de setembro tenha sido mais forte – ignorando os efeitos das turbulências do mercado financeiro na segunda quinzena do mês – por conta do maior número de dias úteis e da recuperação nas vendas do setor automotivo.

Os analistas tem dúvidas sobre o tamanho do efeito da crise sobre as vendas no último trimestre do ano. A previsão mais pessimista indica que o comércio pode encerrar o ano com crescimento entre 5,5% e 6,5%, contra 9,7% em 2007. As previsões mais otimistas apontam para uma desaceleração mais lenta, que levaria o crescimento do ano para um percentual entre 8% e 9,9%.

Varejistas de diferentes segmentos relatam boas vendas em setembro. Segundo José Domingos Alves, supervisor-geral das Lojas CEM, o aumento das vendas em setembro não foi abalado pela crise financeira e até superou a expectativa de 12%, chegando a 15% em relação ao mesmo período do ano passado. Em relação a outubro, ele se mostra confiante. “Já estamos com 12% de alta em relação ao ano passado”, informou. A rede não alterou as condições de pagamento oferecidas e as vendas mantêm o padrão de 70% no crediário, 20% no cartão e 10% à vista.

No segmento de materiais de construção, as redes Dicico e Telhanorte também registraram bons resultados em setembro. Na Dicico, o aumento das vendas em setembro foi de 11% em relação à agosto, desempenho atribuído, pela varejista, ao Liquida Já, uma promoção de quatro dias. No acumulado ano, o faturamento subiu 42% em relação a igual período de 2007. Fernando de Castro, diretor-geral da Telhanorte, conta que houve redução momentânea nas vendas durante o mês de setembro, mas “hoje a operação segue apenas pouco abaixo do normal”. Segundo ele, o “período de compras de Natal para a Telhanorte começa em setembro e termina por volta de 10 de dezembro. Também não tivemos redução nos pedidos, nas promoções e no investimento em publicidade”.

Para Cláudio Conz, presidente da Associação Nacional dos Revendedores de Materiais de Construção (Anamaco), o setor de construção pode ser beneficiado pela queda na venda de automóveis e pelo cancelamento de viagens internacionais. “As pessoas não investirão em viagens e carros, e deverão reformar e pintar as casas no fim de ano”, diz ele. No ano, diz, o setor deve registrar um crescimento recorde de 10%. “Essa projeção já é uma realidade. E não querendo ser otimista, mas sendo, deveremos manter esse número para 2009.”

Em outro segmento, as vendas do Armarinhos Fernando, em setembro, mantiveram a expectativa de crescimento de 7% em relação ao mesmo período do ano passado, com 50% dos pagamentos à vista e 50% parcelados, informa Ondamar Ferreira, gerente-geral. “A projeção de 8% de crescimento para o dia das crianças, em relação ao ano passado, também foi alcançada. Para o fim de ano, as lojas estão munidas de brinquedos. As compras de estoques foram realizadas antes da crise, e, portanto, mesmo com essa oscilação do dólar os preços devem ser mantidos para o Natal”, explicou ele.

Já no segmento de hipermercados e supermercados, que têm peso de 50% no indicador de comércio varejista do IBGE, o desempenho de setembro pode ter sido um pouco mais fraco em função da retomada da alta de preços no fim do mês. “Houve deflação no começo do mês, mas na segunda quinzena a cesta básica voltou a encarecer”, observa Bráulio Borges, economista-chefe da LCA Consultores. Para ele, independentemente dos efeitos da crise externa, as vendas nesse segmento tendem a reduzir o ritmo por conta do aumento de preços que normalmente oco

About admin

Veja também

Tecnologia escreve futuro da moda

Alguns dos mais interessantes desenvolvimentos recentemente apresentados pela indústria da moda não estão a acontecer …

Deixe uma resposta